Nº 17 – 2022 – 15/05 a 21/05

Publicado em 16/05/2022

Nº 17 – 2022 – 15/05 a 21/05

AVISOS

  • Esse mês, temos a Escola Bíblica da Família! Aos domingos presencialmente 9:15h e às segundas-feiras 19:45h online pelo link aqui. Participe com a sua família!
  • Dia 16/06 teremos o Picnic das Famílias na Abessfi! A inscrição deve ser feita ao final do culto na Central SIB ou clique aqui. Participe!
  • As cantinas voltaram! Com o objetivo de ajudar a realizar o retiro da juventude, os jovens estão fazendo cantinas nos domingos a noite e venda de doces nos domingos pela manhã. Participe, contribua, abençoe!

EXALTAÇÃO (Cânticos sugeridos)

- Casa de Bênção (Minha casa será uma casa de bênção…)

https://www.youtube.com/watch?v=8Em-VQOwnek

 

- Corpo e Família (Recebi um novo coração do Pai, coração regenerado...)

https://www.youtube.com/watch?v=WuyWnEnowOI

 

EDIFICAÇÃO

Família Firme na Palavra De Deus é uma Família Reconciliada e Reconciliadora (2Coríntios 5.14-21)

 

Nos relacionamentos, é como se sempre tivéssemos nas mãos um prego, seja para unir ainda mais essa relação ou para machucá-la. Quando pensamos no aspecto negativo do uso do prego nos relacionamentos, precisamos falar sobre ressentimento: aconteceu uma circunstância lá atrás, fui ferido, fiquei bravo, o tempo passou e eu trouxe à tona aquele problema. Com isso, ressenti aquela fase novamente, quis sentir novamente. Ressentimento é quando você é machucado em um relacionamento, principalmente familiar, seja em palavras ou ações, acontecer uma reincidência dessa circunstância e a nossa intolerância entra em cena “colocando tudo para fora” de uma só vez dizendo “não é a primeira vez que isso acontece”. O nosso senso de justiça nos diz que se for necessário reconciliação, o outro que deve vir a mim. Não foi assim que Jesus nos ensinou que deve ser a reconciliação. Ele nos ensinou que a reconciliação deve ser movida pelo amor antes de tudo. Ele nos amou mesmo nós tendo O magoado e ofendido várias vezes com nossos pecados. Amar é uma decisão! Deus decidiu nos amar!

 

  1. Jesus como o Mediador da Reconciliação (v. 14-19)

Quando a Bíblia fala que o amor de Cristo nos constrange, nós temos que entender sim a grandiosidade do sacrifício de Jesus na cruz do Calvário, mas também entender a praticidade desse amor. Uma vez Jesus estava com seus discípulos, passando bom tempo ensinando-os das coisas concernentes ao Reino: como orar, como jejuar, como fazer boas obras, mas numa determinada ocasião, Jesus ensinou-os na prática sobre o perdão (Mateus 18.21-22).

Pedro estava andando com Jesus, e quis saber como Ele lidava com o perdão. Então Pedro chega para Jesus e pergunta: “quantas vezes eu tenho que perdoar o próximo que pecar contra mim? Seria até sete vezes?”. A resposta de Jesus foi: “não é assim, Pedro, você deve perdoar até setenta vezes sete”. Nisso o amor de Cristo nos constrange, porque muitas vezes nós dizemos: “chega, essa não foi a primeira, nem a segunda vez que isso acontece”. Ainda falamos isso com autoridade e convicção, achando que isso dá motivo para não haver mais reconciliação. Daí vem o apóstolo Pedro e diz: “não seria até sete vezes”? Achando que já estava de bom tamanho. Então Jesus bate o martelo dizendo: nem um, nem outro, mas setenta vezes sete!

Para quem tem tendência a viver ressentido, o que Jesus disse não é para você comprar um caderno a fim de anotar todas as vezes que uma pessoa falha com você. Para aqueles que querem usar o prego para o ressentimento, para a intolerância, para a justiça pessoal, o que Jesus está dizendo é: “perca a conta! O meu amor mostrado por ti lá cruz deve fazer você perder a conta sobre o perdão!” Se Deus não guarda nenhum caderno com nossos pecados, não somos nós que devemos fazer isso com ninguém.

 

Você guarda na mente alguma falha de alguém com você? Você tem guardado suas próprias falhas?

 

  1. O corpo de Cristo como Embaixadores da Reconciliação (v.20,21)

O nosso destino era separação eterna de Deus e, nessa operação de reconciliação, Deus não se contentou em “apenas” nos resgatar, mas Ele quis nos transformar em um embaixador da reconciliação. Deus nos tira da posição de transgressor para a de embaixador da reconciliação. O senso de justiça de Deus é inversamente proporcional ao nosso quando mostra que o único justo pagou por todos os injustos.  Se você está tão apegado aos seus ideais de justiça e retidão, então é preciso considerar que Jesus, que é a Verdade, se entregou por nós sendo ainda nós os seus inimigos. Então imagina como deve ser o nosso senso de justiça na nossa família, a quem amamos! Esse é o desafio de viver reconciliação em todos os nossos relacionamentos, a começar no nosso lar.

 

Será que os efeitos da cruz, do amor de Cristo, te constrangem a ponto de você levantar uma bandeira de paz numa situação mal resolvida lá na sua família? Ou até aqui é só conhecimento bíblico desta verdade?

 

CONCLUSÃO

Não existe função mais nobre do que essa: ser embaixador da reconciliação. Ele quer através de mim, reconciliar todos os meus relacionamentos e que todos estes se reconciliem com Ele. Ser embaixador de um país é representar em todas as áreas e ter o conhecimento pleno do país o qual ele está representando. Essa verdade também se estende na esfera espiritual: será que temos representado plenamente o caráter de Cristo em nossos relacionamentos, principalmente no familiar? O ministério da reconciliação já nos foi entregue... agora é preciso saber o que você vai fazer com esta bênção de Deus: acatar ou rejeitar? Cada olhar, cada gesto, cada palavra, vai mostrar a tua decisão – continuar um transgressor ou tornar-se um embaixador da reconciliação do amor de Cristo!

 

ORAÇÃO

Dediquem os momentos finais do encontro para oração. Orem uns pelos outros e pelos seus amigos do coração. Compartilhem suas experiências com Deus, fale a respeito das bênçãos e do cuidado de Deus em suas vidas!

Compartilhe em suas redes sociais